A Educação é o único caminho

Um continente que desperta


Ano: 2007

Período: 11 de Janeiro a 26 de Fevereiro

Distância: 17.000 Km

Territórios: Perú, Bolivia, Chile, Argentina, Uruguai e Brasil

Participantes: Américo Cardoso, João Pedro Pereira, Tito Baião

Patrocinios

Fortaleza – na foz do rio Ceará, terra dos Pitiguará

“Iracema, a virgem dos lábios de mel, que tinha os cabelos mais negros que a asa da graúna e mais longos que seu talhe de palmeira. O favo da jati não era doce como seu sorriso; nem a baunilha recendia no bosque seu hálito perfumado… O pé grácil e nu mal roçando, alisava apenas a verde pelúcia que vestia a terra…Iracema saiu do banho; o aljôfar da água ainda roreja, como a doce mangaba que corou em manhã de chuva…”

José de Alencar in Iracema (romance símbolo do nativismo e da Brasilidade do povo do Ceará)

Não é verdade que o Brasil fosse descoberto a 22 de abril de 1500, no Monte Pascoal, região do Trancoso na Bahia.
O facto concreto é que o navegador espanhol do Navio Nina, Vicente Pinzon, da frota de Cristóvão Colombo, esteve aqui no Mucuripe, na barra do rio Ceará, actual Castelo Encantado muito antes de Alvares Cabral partir de Portugal. A descoberta não entrou nos registros oficiais em consequência das determinações do célebre Tratado de Tordesilhas que demarcava estas Terras como pertencentes a Coroa Portuguesa.
O descobridor Vicente Pinzon chegou a baptizar a Terra Nova com o nome de Santa Maria de la Consolación, a 2 de Fevereiro de 1500, correspondendo aqui ao dia de Nossa Senhora das Candeias; era praxe baptizar as terras descobertas com o nome do santo do dia. Pouco depois, uma outra expedição espanhola, comandada por Diogo Lepe deixou nas Terras cearenses, no mesmo local onde esteve o comandante da Nau Nina, marco de sua passagem, de presente, uma grande cruz de madeira.

in “www. Ceara.com.br/fortaleza/históriadefortaleza”

Porto – dos homens de letras

Afinal, o Porto, para verdadeiramente honrar o nome que tem, é, primeiro que tudo, este largo regaço aberto para o rio, mas que só do rio se vê, ou então, por estreitas bocas fechadas por muretes, pode o viajante debruçar-se para o ar livre e ter a ilusão de que todo o Porto é a Ribeira.»

José Saramago - Prémio Nobel da Literatura 1998

«O cenário onde isto se passou é dos mais pitorescos que os meus olhos viram: a Ribeira, ou a Ribeira Velha, creio eu que lhe chamam. É um cais sobre o Douro, perto da ponte de D. Luís. Todo o aspecto em redor é pesado e amontoado, conforme o carácter da cidade, Desde aquele cais a cidade sobe sempre em todas as direcções até à Torre dos Clérigos. Na outra margem a ascensão igualmente à de cá, de modo que o rio parece ter metido pelo mais alto de um monte que ficou dividido. Tudo isto faz que o cais nos dê a estúpida impressão de estar enterrado. Lembro-me de umas interessantíssimas casa cujos alicerces se advinham por causa da solidez com que as suas fachadas intimam os nossos olhos. Julgo serem vermelhas ou foi a impressão violenta da cor»

Almada Negreiros, in Nome de Guerra

O Projeto

O sonho de realizar a circum-navegação do Planeta Terra em motociclo nasceu há dez anos.

Esta viagem pela América do Sul adquire uma grande importância, pois com ela concretizaremos o nosso sonho.

Desde Lima no Peru, passando pela Bolívia, Chile, Argentina, Uruguai, Paraguai até Fortaleza no Brasil, iremos percorrer cerca de 17.000 km.

Passar pela cordilheira mais longa do mundo, os Andes, estendem-se por 7.500 km, desde o norte do continente até ao extremo sul na Terra do Fogo.

No Peru, a cordilheira vira um enorme planalto com muitos lagos. O Titiaca, na fronteira da Bolívia com o Peru, é o lago mais alto do mundo. Está a 4.000 metros de altitude.

Também no Peru, ficam as ruínas da civilização Inca, na antiga cidade de Macchu Picchu. A maior montanha da Cordilheira (e uma das maiores do mundo) Chama-se Aconcágua. O pico fica na Argentina e tem 6.959 metros de altura. Neste ponto ao sul do continente, o clima é extremamente frio e as montanhas ficam cobertas de neve. No sul da cordilheira estão as paisagens mais frias da América do Sul: A Patagónia, na Argentina, e as espectaculares Torres del Paine no Chile.

Uruguai, Colónia de Sacramento e Colónia Suiça, Tacuarembó.

No Paraguai apreciar as deslumbrantes Cataratas da Foz do Iguaçu.

No Brasil, a Jóia da Coroa, S. Miguel das Missões no Rio Grande do Sul, no Paraná, Pantanal Sul no Mato Grosso do Sul, Goiana em Goías, Cangonhas, Diamantina, Ouro Preto em Minas Gerais, Brasília, Porto Seguro e S. Salvador na Baia, Parque Nacional da Serra da Capivara em Tocanis, Lençóis Maranhenses e S. Luís no Maranhão, por fim, Fortaleza na costa Atlântica.

É este percurso que pretendemos percorrer em motociclo e dar a conhecer alguns dos mais belos locais deste planeta.

 

Direitos de autor © 2018 Na Rota dos Povos. Todos os direitos reservados.
Joomla! é um software livre produzido sob a licença GNU GPL.